terça-feira, agosto 14, 2007

Um causo sobre Educação




Como estou imersa em apostilas, debates, estudos educacionais, não tem como, tenho que falar mais sobre educação.
Então vou contar um causo que acho muito bonitinho e emocionante sobre minha mãe. Minha mãe iniciou seus estudos lá na roça, quando morava com sua avó. No primeiro dia que minha mãe voltou da escola, ela queria que já pudesse ler uma carta, olhou para minha mãe e disse "você não lê, como asssim, você não está indo para a escola"?
Para continuar seus estudos minha mãe teve que mudar para a cidade, foi morar com uma tia e claro, minha mãe tinha que "pagar" de algum modo sua estada. Trabalhava como uma condenada, levantava de madrugada para varrer todo o terreiro, enorme, cuidar de toda a casa e ainda cuidar de um bando de crianças. Cuidar significa, carregar no colo e não ter tempo nem de ir sozinha ao banheiro. Fora algumas "palmadas" de vez em quando. Bom, entre uma tarefa e outra, ir à escola, minha mãe nunca gostou muito de estudar, no entanto, não sobrava muito tempo para se estudar em casa. Minha mãe repetiu três vezes a terceira série e já estava uma mocinha em meio às crianças, quando uma professorinha, recém chegada da capital, muito bela e novinha, disse que iria tirar minha mãe da terceira série. Falou para minha mãe, "Olha depois do almoço, você vai lá pra casa, para você estudar comigo". E assim foi, minha mãe almoçava, terminava rapidinho suas tarefas e ia estudar. E aí entra o afeto, alguém que olha para minha mãe, enxerga suas dificuldades e se envolve e muda o seu destino.
Minha mãe, quando foi visitar sua avó na roça, lhe pediu um presente, não para ela, mas para a professora e que bem precioso minha avó teria para dar à professora, uma galinha. E assim minha mãe escolheu uma e levou aquilo que pagaria a jóia que a professora lhe dera, conhecimento, afeto, um olhar.
Em meio a tudo e o mundo, onde está o nosso olhar em cada coisa que fazemos.
Em gestos simples se transforma o mundo!

Um comentário:

Cleu Sampaio disse...

Com gestos simples transformamos pessoas. E somos transformados.
Adoro essa história.
Beijo
Cleu