quinta-feira, novembro 08, 2007

De cachaças e Descolados


As vezes me acho meio louca, por que de repente, estou no ônibus, sem nadica pra fazer, nem lugar para olhar e aí quando olho para a janela vejo um senhor muito simples, num boteco, pedindo uma caninha e aí penso: por que tem gente, que olha esse senhor aí, que está terminando seu dia de trabalho, que não deve ter sido nada mole e pede um "goró", "uma branquinha", ou sei lá quantos nomes se tem pra isso, para apaziguar a alma, ou quem sabe "agradecer" por mais um dia de vida e aí logo de cara pensa: "Cachaceiro", aff, cachaça".
Mas aí logo ali, tem um boteco também, mesinhas na calçada, moçada bonita, cabelo bonito, roupitcha digamos "fashion", ou quem sabe uma moçada "intelectual", tomando uma cerveja gelada e conversando aquele papo zen-literário-cinematográfico-político-amoroso as vezes em pleno meio-dia e aí, pois é, o que se pensa, nada, ou quem sabe, muito legal, esse negócio de beber, pô...bebem todas.
Bom, confesso que tenho muitos pés atrás em relação à bebida, vivi de perto o que é se ter problemas com quem bebe e quem mais sofre é a família.
Não é fácil você ver alguém que você goste chegar em casa cambaleando, mal conseguindo abrir a porta de casa e ainda por cima discutindo e brigando, é porque beber demais te tira do sério sim.
Talvez aquele senhor só tome uma e vá pra casa curtir sua família numa boa e os "descolados" talvez tomem todas, mal consigam chegar em casa, sejam carregados por seus amigos e não seja considerado um alcóolotra.
Sabe de uma coisa, eu concordo com Guimarães Rosa. "Olha moço, todo mundo nesse mundo é doido, muito doido, e é preciso muita religião pra suportar".
O que quero com esse post doido, pensar, pensar, sobre os conceitos que trazemos ao longo da vida. Sobre aquilo que nossos olhos podem enxergar e que nossa cabecinha cria teorias mais maluquetes do mundo. É bom pensar e a gente endoidece mais.

Um comentário:

£¡ä ® disse...

Cris!
Há quanto tempo eu não passo por aqui. Como você está?
Esse post me fez lembrar Marx: "a fé é o ópio do povo". Nesse caso, acrescento o boteco como ópio também. rsss

Beijocas!!!